Marvel Comics disponibiliza 268 edições de HQ para leitura GRÁTIS

Mais um milagre da internet: livres e disponibilizados oficialmente pela própria Marvel, estão no ar mais de 250 edições de quadrinhos de alguns dos principais quadrinhos da empresa.

Olha só o que tá rolando:

  • Capitão América
  • Homem de Ferro
  • Thor
  • Os Vingadores
  • Vingadores vs. X-Men
  • Quarteto Fantástico
  • Demolidor
  • etc…

Todos dando bobeira no site oficial da Marvel, em inglês, mas nada que você não possa encarar. Vale a pena mesmo que seja para folhear.

Anúncios

Finalmente: Os Vingadores

Sei que demorei pra escrever aqui após o lançamento, mas quis assistir Os Vingadores mais de uma vez pra ter a certeza de que o filme é isso tudo. Assisti na primeira fila, e de coração, me sinto orgulhoso por isso. O filme é embasbacante.

A Marvel deu “up” em tudo que a gente já havia visto em seus filmes de super-heróis (Dois excelentes do Homem de Ferro, dois ruins do Hulk, um bom do Thor e um muito bom do Capitão América). “Os Vingadores” é intenso durante 140 minutos e dá ação pra cada protagonista. Méritos do diretor Joss Whedon, nerd de respeito e um dos meus produtores/roteiristas/diretores favoritos.

A conexão existente entre os filmes dos super-heróis isolados é o maior charme da obra, se você assistiu todos, o filme fica mais gostoso ainda. Apesar de todo o hype em cima do Homem de Ferro, quem rouba a cena mesmo é o Bruce Banner/Hulk do Mark Ruffalo, o verdão protagoniza a maioria das cenas legais do longa.

Loki é um vilão impecável, apesar de aparecer menos que devia no filme do Thor, aqui dá tempo de odiá-lo o suficiente.

Com toques de Whedon no humor aguçado (principalmente nas retrucadas de Tony Stark) e a devida importância dada às moças do filme (Maria Hill e a Natasha Romanov, a Viúva Negra) em momentos bastante familiares para os fãs de Buffy (principlamente na primeira aparição de Romanov), não tem como sair do cinema sem os cabelos arrepiados. Na humilde opinião deste blogueiro, Os Vingadores é o melhor filme de super-heróis da história (e não tem Batman que mude isso).

Pra quem gosta de números, o filme arrecadou R$ 21,7 milhões no fim de semana do Brasil. A expectativa é que nos Estados Unidos, onde a estréia só acontece no próximo dia 4, a arrecadação chegue aos U$ 150 milhões (o que deixaria a Disney feliz da vida após o fiasco de bilheteria de John Carter). Só pra dar um parâmetro, Batman: o cavaleiro das trevas arrecadou U$ 158 milhões em seu primeiro fim de semana. Não duvido que o recorde seja batido. O filme vale cada centavo e cada barulho de gente chata no cinema. 5 estrelinhas (que poderiam ser 50).

Vingadores: Homem de Ferro

Entre os filmes “solo” dos Vingadores presentes na produção de Joss Whedon, as produções do Homem de Ferro dirigidas por Jon Favreau são as mais bem sucedidas ($). Só pra vocês terem uma ideia, o debut arrecadou U$300 milhões enquanto sua sequência faturou U$100 milhões só na estréia. Logo, é normal que o alter-ego de Tony Stark seja mais popular que os outros heróis do filme, pelo menos nestes tempos. Comigo não será diferente, a lataria vai ganhar um post especial no blog.

Um dos maiores gênios científicos do universo, mulherengo, playboy, egocentrico e filantropo. Tony Stark foi criado no início da década de 60 por Stan Lee, o herdeiro das Indústrias Stark que projetou o protótipo de sua armadura enquanto era refém na União Soviética. O objetivo era fugir de seu cativeiro, já que ele era mantido como prisioneiro da guerra fria como aliado e colaborador americano.

(Devido à atualização da história para o cinema, a Guerra Fria foi substituída pelos conflitos no Afeganistão)

Desde então, o Homem de Ferro vem se reinventando com o tempo, redesenhando seus trajes e colecionando inimigos enquanto se dedica a combater o crime nos Estados Unidos e no mundo (além de alguns problemas pessoais, como seu ego e o alcoolismo).

Após os sucessos de bilheteria, a imagem do herói se confunde com Robert Downey Jr., o ator que interpreta Tony Stark nos cinemas. Seja pela semelhança no gênio ou pelo brilhantismo de Downey no papel, o Homem de Ferro hoje tem um rosto humano próprio, assim como o Super-Homem de Christopher Reeves. No caso de Tony com uma leve vantagem, já o marketing do cinema atual é mais forte que o de três décadas atrás.

É assim que veremos o Iron Man amanhã, nos principais cinemas do Brasil. Quem me lê aqui e nas redes sociais não deve aguentar mais. Calma galera, é só até o fim de semana.